Tendências no Mercado de Cachaça

Exportada anualmente para mais de 75 países. Mercado que movimenta mais de 7,5 bilhões de dólares por ano. 2ª bebida alcoólica mais consumida no país. Mais do que suficientes são esses dados para exemplificar a gigantesca importância que o mercado de cachaça tem no Brasil. Além disso, é fato que, inicialmente, a cachaça era subestimada e vista como bebida barata e de pouca qualidade. Entretanto, hoje está cada vez mais presente, ganhando bastante espaço nas lustradas mesas de apreciadores do produto antes estigmatizado. Por causa disso, vale a pena conferir quais são as principais tendências nesse segmento tão promissor.

 

Cachaça de Alambique: a grande novidade do mercado de cachaça

A variedade da bebida que mais tem contribuído para a expansão do mercado de cachaça é a produzida em alambiques. O grande diferencial é que o destilado é engarrafado e comercializado após um longo período dentro dos tradicionais barris. Como normalmente  acontece com qualquer bebida alcoólica, o envelhecimento do líquido vem acompanhado da elevação do sabor da bebida. 

 

No caso da cachaça de alambique, o poderoso agente desse processo é o contato entre a madeira interna dos barris e o líquido. Assim, após alguns meses, o resultado final é uma cachaça de sabor e aroma indescritíveis. Por causa disso, naturalmente, o produto tem conquistado muitas pessoas em todo o Brasil.

 

Nesse contexto, o enriquecimento do sabor da cachaça de alambique tem alavancado a qualidade do destilado. Por consequência, a bebida tem se tornado bastante atrativa a consumidores exigentes e sofisticados. Nesse cenário, as classes A e B têm assumido o papel de protagonistas dessa variedade, impulsionando fortemente suas vendas.

 

Além disso, como curiosidade, é interessante destacar que o tipo de madeira utilizado nos barris influencia bastante o sabor final. Existem, inclusive, pessoas que são capazes de identificar o tipo de madeira daquele barril somente pela experimentação da cachaça. Algumas das principais madeiras utilizadas nesse segmento atualmente são Amendoim, Jequitibá, Araruva, Jequitibá Rosa, Ipê-roxo e Castanheira.

Expocachaça

Há mais de vinte anos, o Expocachaça atrai o interesse de amantes de cachaça e de futuros empreendedores da área. Desde o princípio da expansão do segmento de cachaças, o tradicional evento vem ganhando mais força e visibilidade. Nele, reúnem-se produtores de cachaça do Brasil inteiro, interessados em adquirir mais conhecimento sobre  as variedades em alta da bebida. Além disso, também são muitas as pessoas que tem pouca experiência no assunto e querem dar início à própria produção.

 

Nesse contexto, tal feira constitui uma ótima oportunidade para formar ou ampliar uma reserva própria de cachaça. Além disso, o evento tem se consolidado como um espaço democrático de aprendizagem e de desenvolvimento nessa área. E mais, ele proporciona significativa oportunidade de negócio, favorecida pela procura de parcerias comerciais por grande parte de seus frequentadores. Durante a feira, o produtor pode ter contato com uma série de fornecedores do ramo. Eles são responsáveis por apresentar o que há de mais novo no setor, estimulando uma potencial singularidade no mercado. Palestras também são ministradas no evento com temas que variam desde a venda até a distribuição da cachaça. Essa distribuição é estudada considerando-se o mercado externo assim como o interno, com a abordagem das diferenciações entre elas.

 

A Cachaça no Exterior

O Brasil embarca hoje, para o exterior, 12 milhões de litros de cachaça por ano. Há sete anos, era exportado apenas metade desse volume. Esse grande aumento no número de exportações é consequente da crescente tendência no mercado internacional de bebidas produzidas artesanalmente. Isso inclui variedades de cerveja, vinho e whisky, produzidas no exterior, além da cachaça também produzida de forma artesanal. 

 

Apesar do nome, não é certo afirmar que essa variedade de bebida é feita em fundo de quintal. Pelo contrário, o destilado, também chamado de bebida craft, é produzido com objetivo de se obter o melhor produto possível. Isso implica realizar o processo produtivo com cuidados especiais, de modo a atingir a mais alta qualidade. Os principais países protagonistas dessa tendência são os Estados Unidos, a Escócia e a Irlanda, além de outras nações europeias.

 

Outro fator que também tem favorecido a exportação da cachaça brasileira é a certificação do produto, concedida pelo Inmetro. Ela gera confiança nas autoridades e nos consumidores estrangeiros, já que o selo é reconhecido em dezenas de países. Basicamente, essa certificação atesta que a bebida foi fabricada de acordo com as regras de produção brasileiras vigentes. Além disso, ele indica que o produto foi concebido de forma sustentável, e visando a mais alta qualidade. Isso revela a intenção dos produtores em atender os desejos dos consumidores estrangeiros, contribuindo fortemente para o aumento das exportações.

                                                         

E agora?

Finalmente, deu pra ver são promissoras as tendências para o mercado de cachaça que se expande no Brasil. As vendas estão em constante crescimento, os consumidores cada vez mais encantados e o produto se gourmetizando. Por esses vários motivos, pode ser bastante interessante expandir a sua produção de cachaça. Não tem ideia de como fazer isso? Dá uma olhada em porque contar com uma consultoria é fundamental para te ajudar e entre em contato com a Mult.

 

Deixe uma resposta!

%d blogueiros gostam disto: