Conheça os Principais Métodos de Produção de Óleo Essencial!

Pessoa aplicando óleo essencial

Os óleos essenciais são substâncias extraídas de plantas e são empregados em diversas indústrias, como a de perfumaria e cosméticos. Para a obtenção dessas substâncias, faz-se necessária a aplicação a métodos de extração, já que estão contidas no interior das plantas e junto de outras substâncias. Estes consistem em retirar, com grande seletividade, as frações ativas contidas na planta. Para cada óleo essencial existe um processo mais adequado para extraí-lo, de forma a manter sua integridade e suas propriedades. Mas quais seriam os principais métodos?

Destilação a Vapor na extração de óleo essencial

Esse método é o mais empregado na produção de óleo essencial mundialmente. Ele consiste, basicamente, em submeter o material vegetal que possui o princípio ativo desejado à ação de vapor d’água, já que pode extrair o óleo através do chamado “arraste por vapor”. Inicialmente, irão evaporar os líquidos mais voláteis. Esses vapores seguem por uma coluna até os tanques de resfriamento, onde retornarão para o estado líquido, porém agora separados das demais substâncias.

Um destilador, também chamado de extrator, é composto por três partes: a dorna, o condensador e o vaso separador. A primeira destas é o recipiente onde se compacta a matéria-prima vegetal. Esse passo é extremamente importante e interfere diretamente na rapidez e no rendimento do processo. Isso porque serão retiradas impurezas, sementes, galhos e folhas, restando apenas as partes que contêm o produto desejado. Ademais, o aumento da superfície de contato entre o óleo permite que este seja retirado com mais facilidade. O condensador é responsável por resfriar a mistura de vapores. Já o vaso separador, como o próprio nome sugere, separa a mistura para que se obtenha a substância desejada isolada. Em processos industriais, ainda, há a caldeira, cujo objetivo é produzir o vapor d’água.

Para a extração de óleos vegetais cujos componentes são delicados e poderiam ser afetados por altas temperaturas, pode-se, ainda, utilizar a destilação a vapor com vácuo. Nela, a água ebule a temperaturas inferiores a 100 ºC, garantindo que os componentes do óleo mantenham suas propriedades. Esse método é aplicado, por exemplo, na extração de óleos cítricos. Apesar disso, outros métodos podem ser mais ideais outros compostos.

Desenho de frasco com óleos essenciai

Extração por solventes

Em razão da fragilidade de algumas plantas, processos como destilação a vapor podem degradar os componentes que constituem o óleo. O processo de extração por meio da utilização de solventes é um método menos agressivo e serve de alternativa para contornar esse problema.

Constitui-se por duas etapas, sendo a primeira referente à utilização de solventes apolares como hexano e tolueno. Após filtrar essa mistura e concentrá-la por meio de destilação simples, forma-se o chamado concreto. Este é constituído não somente pelo óleo essencial mas também por ceras, gorduras e outros compostos oleosos. Por esse motivo, apresenta consistência pastosa. Posteriormente, adiciona-se um solvente polar com o objetivo de purificar as substâncias oleosas. Por fim, obtêm-se um  produto, denominado absoluto, de consistência líquida.

Certos solventes possuem um certo grau de toxicidade, o que pode ser preocupante tendo em vista a saúde de quem utilizará o óleo essencial. No entanto, diversas medidas podem ser tomadas para garantir que os produtos sejam totalmente seguros para uso. Um exemplo seria o uso de ciclohexano no lugar do hexano ou o uso de tecnologias capazes de eliminar compostos com certo grau de toxicidade do concreto e do absoluto.

Prensagem a frio para a obtenção de óleo essencial

Nesse processo, muito utilizado para a produção de óleos cítricos e vegetais, os frutos são direcionados para as prensas hidráulicas. Dessa forma, obtêm-se o suco e, simultaneamente, os óleos. Posteriormente, forma-se uma emulsão, na qual os óleos e outros compostos são removidos através do uso de um ciclone. Clarifica-se a mistura em centrífugas, que separam os componentes com base na miscibilidade (leia-se sua capacidade de formar ou não uma mistura homogênea, com apenas uma fase) de líquidos de diferentes densidades. Como óleos possuem baixas densidades, são extraídos na fase mais leve, que é concentrada por um segundo processo de centrifugação. Finaliza-se esse processo a partir de uma decantação do produto da etapa anterior.

Além desse processo, é possível realizar, também, a desterpenação. Assim, se reduz a quantidade de terpenos (compostos de origem vegetal) na mistura, o que é bastante vantajoso pois estes se degradam com facilidade. Dessa forma, aumenta-se a concentração da fração oxigenada, realçando seu sabor e aroma.

Ícone de imagens

Hidrodestilação

Na hidrodestilação, a matéria vegetal fica imersa em água, o que possibilita que a extração seja feita a temperaturas inferiores a 100 ºC. Isso é muito positivo pois, como já mencionado anteriormente, evita a perda de compostos sensíveis a altas temperaturas. 

Apesar disso ser muito positivo, torna o processo lento e diminui muito seu rendimento. Por esse motivo, esse processo é mais utilizado em escala laboratorial, sendo quase obsoleto em processos industriais.

Sabe-se, portanto, que existem diversos métodos capazes de extrair óleos essenciais de maneira efetiva e com alto rendimento. É válido ressaltar que a escolha do método depende de vários fatores, como a natureza da matéria-prima e as propriedades de seus componentes, além do tamanho da produção. Tendo em vista que óleos essenciais possuem uma grande gama de aplicações e que seu mercado é bastante promissor, que tal saber um pouco mais sobre como montar sua indústria de óleos essenciais?

 

Deixe uma resposta!

%d blogueiros gostam disto: