Conservantes para Alimentos: Mitos e Verdades

É muito comum que, em alimentos, sejam usadas substâncias para aumentar a vida útil do produto. Conhecidas como conservantes, essas substâncias têm como objetivo inibir ou minimizar a atividade microbiológica. Elas ainda visam evitar alterações químicas que fazem que o alimento apresente alterações indesejáveis, no sabor, na textura, no odor e etc. Nos supermercados, a maior parte dos alimentos encontrados contém algum aditivo que possibilita um aumento da vida útil dos produtos.

As alterações sofridas pelos alimentos podem ser causadas por diversos fatores, como oxidação ou fermentação. Por conta disso, há diferentes tipos de conservantes que podem ser agrupados em dois grandes grupos: artificiais e naturais. O primeiro grupo é composto por aditivos químicos sintéticos que são usados sobretudo pela questão da pureza e qualidade. O segundo grupo é composto por substâncias encontradas naturalmente, como o sal de cozinha e o ácido acético no vinagre. Os conservantes, mesmo que muito usados, ainda são mistério para grande parte da população. Em vista disso, apresentaremos mitos e verdades a seguir:

Alimentos sem Conservantes são Mais Saudáveis: Mito

O uso de conservantes impede o crescimento de microrganismos danosos à saúde do consumidor, além de impedir reações químicas que podem formar substâncias nocivas ao corpo. Desse modo, a utilização desses aditivos evitam graves complicações, como intoxicação alimentar.

O Problema do meu Produto pode ser a Forma de Fabricação: Verdade

Os alimentos sofrem degradação por inúmeros motivos, por conta disso, é imprescindível que se escolha a melhor forma de conservação para o alimento. Embora existam diversos conservantes, muitas vezes o problema reside em sua fabricação. Exemplos disso são a má higiene que propicia o crescimento da microbiota ou a falta de refrigeração que degrade seu alimento mais rapidamente. Essas questões são verificadas em um Manual de Boas Práticas de Fabricação (MBPF). Estas são um conjunto de práticas para assegurar a qualidade de um produto.

O Uso de Conservantes não é a Primeira Opção: Verdade

Para impedir que um alimento perca suas características desejadas, antes do uso de conservantes, são implementados outros métodos de conservação. Pode-se utilizar embalagens apropriadas, como vidros escuros para impedir a passagem de luz; transporte adequado, a exemplo de caminhões refrigerados; MBPF, para garantir que a fabricação proporcione as condições para um produto mais durável. É importante saber que o uso de um método para a conservação não impede o uso de outro. Portanto, se essas alternativas já citadas não funcionarem, deve-se verificar a possibilidade de uso de conservantes.

A Única Forma de Usar Conservantes é Adicioná-lo ao Alimento: Mito

A forma mais tradicional de se usar conservantes é adicionando este diretamente ao alimento durante a fabricação. Entretanto, outra forma utilizada é a aplicação indireta. Um exemplo é a adição às paredes das embalagens, impedindo que microrganismos cresçam após a vedação do produto.

Existe Legislação sobre Conservantes para Alimentos: Verdade

Para que os conservantes usados em produtos não ofereçam riscos a quem os consome, há uma série de normas que regulamentam as substâncias permitidas e qual a quantidade máxima que pode ser adicionada. A legislação existe para evitar o uso de substâncias prejudiciais ou que, se usadas em excesso, possam fazer mal ao consumidor, como as substâncias cancerígenas. Além dessa regulamentação, existem também normas que exigem a divulgação dos aditivos nos rótulos de alimentos.

Como expandir o tempo de vida útil de um alimento é um dos principais desafios da indústria, os conservantes são usados em larga escala. Nesse contexto, é importante que se conheça bem esses aditivos. E assim, como apresentado, deve-se saber que, para aumentar a durabilidade de um produto, tem-se alternativas além dos conservantes, as quais devem ser estudadas antes de partir para o uso de aditivos químicos.

Além disso, é preciso ter a consciência que o uso de conservantes é benéfico. Usados da forma correta, não causam doenças, e sim conservam o alimento. Sendo assim, impedem a contaminação dos produtos e prolongam suas características. Por esse motivo, caso seja necessário, um produtor não deve ter medo de adicionar um conservante para alimentos, já que estará tornando seu produto mais seguro. No entanto, deve-se sempre se atentar à legislação, já que podem haver normas específicas quanto ao uso de certas substâncias. Caso tenha surgido alguma dúvida ou tenha ficado interessado em aumentar a vida útil de seu alimento, entre em contato conosco para que possamos ajudá lo!

Deixe uma resposta!

%d blogueiros gostam disto: